A irresistivel tentação de viver melhor

O mais precioso líquido da humanidade, a água, possui a arte da vida… e por isso auxilia a evitar e recuperar enfermidades a nível físico, psíquico e mental – sendo ela, um todo que se encontra em todas as terapias tradicionais, desde a antiguidade até aos tempos modernos, onde ganhou novas aplicações.

A IRRESISTÍVEL TENTAÇÃO DE VIVER MELHOR não acontece sem que tenhamos de recorrer a uma das principais fontes da vida, a água. Através dela podemos descobrir a harmonia que existe entre o nosso eu mental e o nosso corpo físico e psíquico. Dela podemos extrair momentos de prazer e tranquilidade, que nos faz viver melhor e com mais saúde. A água leva-nos a momentos de relaxamento, nos conduz para o equilíbrio corporal, dá-nos saúde e boa forma e nos coloca em sintonia com a natureza divina.

A água tem uma mensagem muito importante para nós. Ela nos induz para olharmos muito mais profundamente o nosso ego. Quando olhamos o nosso ego através do espelho da água, a mensagem torna-se surpreendente, límpida, inteligível. Nós sabemos que a vida humana está conectada directamente à qualidade de nossa água, dentro e em torno de nós.

A ciência nos prova que as energias vibracionais humanas, pensamentos, palavras, ideias e músicas, afectam a estrutura molecular da água. Não devemos nos esquecer que a água compreende setenta por cento de um corpo humano maduro e cobre a mesma proporção do nosso planeta. A água é a fonte de toda a vida neste planeta. Qualidade e integridade são vitalmente importantes a todas as formas de vida. O corpo é como uma esponja e possui em sua composição trilhões de células que comportam líquido. Por isso é importante estarmos sempre com a nossa mente num estado positivo e em harmonia com a natureza. Essa harmonia nos faz estar com grande reserva de energia e livres do stress da vida moderna.

A água é uma substância das mais maleáveis que existe. Ela atravessa por espaços que são até mesmo invisíveis a nossa visão. A sua forma física adapta-se facilmente ao que o ambiente contém. Mas a aparência física não é a única coisa que muda na água, a sua estrutura molecular também muda. A energia ou as vibrações do ambiente mudarão a forma molecular da água. Neste sentido a água tem, não somente a habilidade de reflectir visualmente o ambiente, mas também reflecte molecularmente este ambiente.

A ciência prova que existem diferenças significativas e fascinantes nas estruturas cristalinas da água de fontes diversas e condições diferentes ao redor do planeta. Basta compararmos o sabor da água de fontes diferentes. Verificaremos que ele muda. Este simples teste de sabor nos indica que existem diferenças na composição da água que são distintos a cada local de onde ela brota. A nascente de água pura que jorra da montanha, segundo pesquisas químicas de composição molecular, mostra maravilhosos desenhos geométricos em seus padrões cristalinos, enquanto que as águas poluídas e tóxicas das áreas industriais e povoadas, águas estagnadas das tubulações e represadas em armazenamentos, mostram estruturas cristalinas definitivamente distorcidas e formadas aleatoriamente.

É por isso que hoje em dia as terapias que tem a água como elemento central estão a ser cada vez mais popularizadas. Estas terapias são tão velhas quanto o homem e é uma ironia que uma medicina tão natural e eficaz tenha de ser redescoberta em cada nova era. Uma das primeiras menções escritas sobre o uso da água como medicina diz respeito aos templos do deus grego da medicina, Asclépio. Nesses locais, banhos e massagens faziam parte do tratamento dos doentes.

Quase todas as civilizações de clima quente usaram em algum momento banhos, não só devido a razões terapêuticas como também para gozar de uma interacção social agradável. Este conceito é muito importante na terapia pela água e foi conhecido e empregado pelos médicos na Índia, Turquia, Rússia e Finlândia, bem como pelos curandeiros, entre os índios americanos.

O combate ao stress da vida contemporânea tem nas terapias da água um importante aliado. Propiciam relaxamento profundo, para além de ser extremamente agradável. Alguns cientistas dizem que nos sentimos melhor dentro da água porque o mar é o nosso verdadeiro lar ancestral. Outros ligam a sensação de relaxamento na água à lembrança do fluido amniótico no qual flutuávamos antes do nascimento.